Bem Vindo ao Blog do Professordesiderio

terça-feira, 11 janeiro, 2011


Janot pede impedimento de Gilmar Mendes para julgar Jacob Barata Filho

segunda-feira, 21 agosto, 2017

Jornal do Brasil

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu nesta segunda-feira (21) ao Supremo Tribunal Federal (STF) o impedimento do ministro Gilmar Mendes para continuar atuando no processo no qual concedeu liberdade ao empresário Jacob Barata Filho. Gilmar é padrinho de casamento da filha do empresário, casada com o sobrinho da esposa do ministro.

Na petição encaminhada à presidente do Supremo, Cármen Lúcia, Janot afirma que o ministro tem vínculos pessoais com o empresário e não pode atuar no caso. A mesma argumentação é usada para tentar impedir Gilmar Mendes de julgar o ex-presidente da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) Lélis Teixeira. Ambos são investigados na Operação Ponto Final, que apura suspeitas de corrupção no sistema de transporte público do Rio de Janeiro.

 

Janot (D) pede impedimento de Gilmar Mendes (E) para julgar Jacob Barata Filho
Janot (D) pede impedimento de Gilmar Mendes (E) para julgar Jacob Barata Filho

“Não resta dúvida para o MPF de que há vínculos pessoais entre a família de Gilmar Mendes e Jacob Barata Filho, circunstância também representada simbolicamente na função de padrinhos de casamento da filha do paciente. Os vínculos são atuais, ultrapassam a barreira dos laços superficiais de cordialidade e atingem a relação íntima de amizade”, sustenta Janot.

Na semana passada, por meio da nota, a assessoria de Gilmar Mendes informou que o contato do ministro com a família de Barata Filho ocorreu somente no dia do casamento. Além disso, segundo os assessores, o fato não se enquadra nas regras legais que determinam o afastamento de um magistrado para julgar uma causa em função de relação íntima com uma das partes.

“O contato com a família ocorreu somente no dia do casamento. Não há relação com o paciente e/ou com os negócios que este realiza. Já há entendimento no Supremo Tribunal Federal que as regras de suspeição e impedimento do novo Código de Processo Civil não se aplicam ao processo penal. Ademais, não há tampouco amizade íntima com os advogados da presente causa”, diz a nota.

Procuradores pedem impedimento de Gilmar Mendes em ações contra Jacob Barata

Procuradores que fazem parte da força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro já haviam contestado o habeas corpus concedido a Jacob Barata Filho por Gilmar Mendes. Eles também pediram o impedimento de Mendes em processos que envolvam o empresário de ônibus, preso na Operação Ponto Final.

Os procuradores divulgaram nota na sexta-feira (18) na qual detalham o que consideram contrariedades com a participação de Mendes no processo envolvendo Barata Filho. O empresário foi preso preventivamente no início de julho, por ordem da Justiça Federal do Rio de Janeiro, em um desdobramento das investigações da Lava Jato que investiga um suposto esquema de pagamento de propina a políticos e de fraudes em contratos do governo estadual com empresas de transporte público. Ontem, atendendo a um pedido da defesa de Barata, Gilmar Mendes concedeu habeas corpus para soltar o empresário. No entanto, a decisão não fui cumprida porque o juiz Marcelo Bretas, da Justiça Federal do Rio de Janeiro, expediu uma nova decisão mantendo a prisão de Barata.

“Em relação à liminar em habeas corpus concedida na data de ontem (17) pelo ministro Gilmar Mendes, os membros da força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro vêm a público manifestar a sua apreensão diante da possível liberdade precoce de empresários com atuação marcante no núcleo econômico de organização criminosa que atuou por quase 10 anos no estado”, assinalaram os procuradores.

Os membros da Lava Jato ressaltaram que Mendes deveria se declarar impedido de atuar no processo, uma vez que sua esposa participa de escritório de direito que advoga para a família Barata. “A apreensão dos procuradores sobreleva diante de contexto em que o prolator das referidas decisões é cônjuge de integrante do escritório de advocacia que patrocina, em processos criminais da Operação Ponto Final, os interesses de pessoas jurídicas diretamente vinculadas aos beneficiários das ordens concedidas o que (…) deveria determinar o auto-afastamento do ministro Gilmar Mendes da causa.”

Eles finalizam a nota pedindo ao procurador-geral da República (PGR), Rodrigo Janot, que ajuíze ação para o afastamento de Gilmar Mendes do caso. “Para garantir um juízo natural sobre o qual não paire qualquer dúvida de imparcialidade, e em respeito aos jurisdicionados e à instituição do Supremo Tribunal Federal, os procuradores encaminham na data de hoje ao procurador-geral da República ofício solicitando o ajuizamento de exceção de suspeição/impedimento, instrumento processual disponível às partes em tais hipóteses.”

 

Com Agência Brasil


Curso de formação prepara oficiais da PM para atuarem como educadores em EaD

sábado, 19 agosto, 2017

 

Fotos: Liviane Barbosa/ Ascom IAT

Cerca de mil policiais militares serão contemplados com ações de formação, que resultam da parceria entre o Instituto Anísio Teixeira (IAT) e a Polícia Militar da Bahia. O Curso de Formação de Autores e Mediadores em Educação a Distância será destinado aos oficiais que integram as equipes de Tecnologia da Informação e de Formadores da Corporação, com o objetivo de estruturar o núcleo de EaD da PM para a produção, uso e disseminação de mídias e tecnologias educacionais como recurso didático para formação e atualização de oficiais. Além da formação, que teve início nesta sexta-feira (18/08) e segue até o dia 25/08, a parceria entre IAT e Polícia Militar prevê, também, o uso da estrutura tecnológica utilizada pelo IAT para formação de professores, a exemplo da rede de videoconferência.

Para o comandante geral da Polícia Militar da Bahia, coronel Anselmo Brandão, essa parceria com o IAT é um marco. “Eu ouço, há muito tempo que a Corporação deveria fazer a educação a distância acontecer e hoje a gente materializa, iniciando esta formação, em parceria com o IAT. O conhecimento tem que chegar na ponta e essa é a nossa grande dificuldade, já que a Corporação é composta por 32 mil homens espalhados por toda a Bahia. A tecnologia de educação a distância que o IAT dispõe, vai nos ajudar bastante”, explicou o comandante, lembrando que policiais mais bem qualificados fortalecem a segurança pública.

“Quando democratizamos o conhecimento e usamos a tecnologia para fazer com que a informação e o conhecimento sejam universalizados, nós não estamos fazendo mais do que entregar ao cidadão aquilo que é seu por direito”, destacou o diretor-geral do IAT, Desiderio Melo, durante a abertura do curso. “Nesse momento em que celebramos esse termo de cooperação técnica, eu tenho a certeza de que não é só a polícia Militar da Bahia, mas toda a sociedade que ganha com isso, já que a educação é o caminho para a emancipação do homem, e não um espaço de privilégios”, completou Desiderio.

“Esta parceria entre a Secretaria da Educação do Estado e Polícia Militar, por meio do Instituto Anísio Teixeira é estratégica. Com esta ação, o IAT vai além da sua missão de formar professores e insere a educação a distância para o ambiente da Polícia Militar, permitindo a capacitação de seus oficiais”, disse o superintendente de Políticas para a Educação Básica, Ney Campello, que representou o secretário da Educação do Estado, Walter Pinheiro.

 

Entre os temas que serão pautados no Curso de Formação de Autores e Mediadores em EaD estão os fundamentos da educação a distância, design educacional, o Moodle e suas funcionalidades e tutoria em educação a distância. O IAT vai auxiliar para que os autores e mediadores da Polícia Militar da Bahia dominem a lógica, compreendam os processos e as técnicas de produção dos materiais de conhecimentos através das TICs – Tecnologias de Informação e Comunicação, além de oferecer toda a estrutura e os recursos inovadores para Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVAs) e as Mídias e Tecnologias Educacionais que o IAT dispõe.

http://educadores.educacao.ba.gov.br/noticias/curso-de-formacao-prepara-oficiais-da-pm-para-atuarem-como-educadores-em-ead


Estudantes de Vitória da Conquista lançam a 10ª edição do jornal Eco Teens

sexta-feira, 18 agosto, 2017
  Estudantes e professores do Colégio Estadual Camilo de Jesus Lima, em Vitória da Conquista, participam nesta sexta-feira (18/8), do lançamento da 10ª edição do jornal Eco Teens. Aproximadamente 450 estudantes entre 15 e 17 anos do 1º ao 3º ano do Ensino Médio trabalharam na produção e elaboração dessa nova edição.
O jornal Eco Teens aborda a temática “Feira da Patagônia: conhecer para preservar”.  A partir da escolha do tema os alunos passaram por várias etapas de treinamento. A primeira delas foi aprender a utilizar os métodos e normas da Metodologia Científica para a preparação do periódico.
O trabalho se baseou em leitura de artigos sobre feiras, pesquisa de campo, apresentação de resultados, incluindo o diagnóstico de problemas no local, como descarte indevido de resíduos orgânicos (sobras de alimentos), com indicação de possíveis soluções, como a colocação de  coletores.
Além disso, os estudantes passaram por treinamento de diversos gêneros textuais para a edição do jornal, desde o estilo jornalístico até receitas culinárias. A prática da oratória em seminários realizados na sala de aula foi outro ponto observado.
Durante a preparação do jornal Eco Teens os estudantes realizaram uma gincana com execução de tarefas que foram avaliadas pela comissão julgadora.  A equipe “Companhia Disfarce”, por exemplo, foi à Feira da Patagônia analisar o comportamento dos feirantes e clientes para composição dos personagens para uma peça teatral. Outras tarefas também foram concluídas com êxito, a exemplo da campanha para arrecadação e distribuição de doações para entidades filantrópicas, elaboração de cordel com seis versos e constância de rima, construção de maquetes de casas sustentáveis e atividades de culinária, com elaboração de receitas para aproveitamento de cascas e sementes.
Com quatro anos de funcionamento o Colégio Estadual Camilo de Jesus Lima atende atualmente mais de 700 estudantes.

Estudantes de Barra apresentam criações artísticas em homenagem ao Tropicalismo

sexta-feira, 18 agosto, 2017
Fotos: divulgação
 Música, poesia, teatro, dança e exposição de artes visuais marcaram o 2º Café com Letras do Colégio Estadual Cristo Rei, localizado no município de Barra (650 Km de Salvador). A atividade, na noite desta quarta-feira (16), prestou uma homenagem ao Tropicalismo e faz parte da culminância, na unidade escolar, dos projetos estruturantes de arte e cultura promovidos pela Secretaria da Educação do Estado. O objetivo é promover o protagonismo estudantil e o desenvolvimento das diversas expressões da arte no currículo escolar.
“O evento foi maravilhoso e os estudantes estão de parabéns. Eles estavam muito engajados e empolgados no projeto e pensaram em tudo, na decoração do espaço, no cenário, nos convites, pesquisaram e ensaiaram muito. Os convidados, familiares dos estudantes, comunidade local e algumas autoridades da cidade ficaram emocionados e recebemos vários elogios”, conta a diretora Maria Regina Camandaroba, que ressalta a importância dos projetos de arte e cultura nas escolas. “Os projetos estão dando vida às nossas escolas. Com eles, os alunos se dedicam a aprender sobre arte, conhecem a história e as oficinas são sempre produtivas e criativas”, avalia.
Os estudantes também prestaram uma homenagem, por meio do recital de poesias, aos escritores Gregório de Matos e a Deocleciano Martins de Oliveira, que é filho ilustre da cidade. O estudante Demison Costa, 2º ano, participou do projeto Artes Visuais Estudantis (AVE) e apresentou a obra ‘Lenços e documentos’. “Na minha obra, eu homenageio os 50 anos do movimento da Tropicália. Na representação tem Caetano Veloso, Gilbert Gil e Baby Consuelo. Agora, espero passar para as próximas fases da seleção”, comemora.
Já a participação de Lucas Gonzaga, do 3º ano, foi no Festival Estudantil de Teatro (FESTE), interpretando o personagem Nego D’água, no espetáculo teatral ‘Caboclo d’água e seu tesouro’. Para o jovem, o momento foi uma oportunidade para mostrar e aprimorar seu lado artístico, já que sonha em ser ator profissional. “Gostei muito do evento. Todos os alunos, professores, funcionários e direção estavam bem empenhados. Aproveitei a oportunidade para mostrar meu potencial artístico, porque quero me especializar na área e, quem sabe, seguir na profissão”, conclui.

STF nega a MT pedidos de indenização por desapropriação de terras indígenas

quinta-feira, 17 agosto, 2017
Jornal do Brasil

Para comemorar a decisão, índios que fizeram uma vigília em frente ao prédio do STF dançaram na Praça dos Três Poderes.

Em seu voto, o relator assentou que o estado não deve ser indenizado, pois as terras não eram de titularidade do Mato Grosso, uma vez que são ocupadas historicamente pelos povos indígenas. Na ação, o governo mato-grossense alegava que terras teriam sido ilicitamente incluídas no perímetro do Parque Nacional do Xingu. Já a outra ação refere-se às reservas indígenas Nambikwára e Parecis e áreas a elas acrescidas.

Índios chegam para acompanhar o julgamento no STF
Índios chegam para acompanhar o julgamento no STF

De acordo com o ministro Marco Aurélio, desde a Constituição de 1934, não se pode considerar terras ocupadas pelos indígenas como devolutas, portanto o Mato Grosso não precisa ser indenizado. Ele apontou que laudos periciais constantes nos autos comprovam a presença histórica dos indígenas nas regiões em questão. “Os laudos não deixam dúvidas sobre ocupação de índios nas áreas em jogo”, afirmou.

O relator destacou que a Constituição de 1988 estabelece que são terras tradicionalmente ocupadas pelos índios as por eles habitadas em caráter permanente, as utilizadas para suas atividades produtivas, as imprescindíveis à preservação dos recursos ambientais necessários a seu bem-estar e as necessárias à sua reprodução física e cultural, segundo seus usos, costumes e tradições.

O voto do ministro Marco Aurélio foi seguido pelos ministros Alexandre de Moraes, Cármen Lúcia, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Ricardo Lewandowski nas duas ações. O ministro Gilmar Mendes estava impedido na primeira ação, mas seguiu o relator na segunda.

Índios acompanham a sessão no STF
Índios acompanham a sessão no STF

Sustentações orais

Houve três sustentações orais. Representando o Mato Grosso, o procurador Lucas Schwinden Dallamico argumentou que as áreas em discussão não eram ocupadas permanentemente pelos índios antes da demarcação das terras, lembrando que, até a década de 80 do século passado, era comum o deslocamento de indígenas dos locais que tradicionalmente ocupavam para outro por interesses econômicos. A seu ver, a União deveria desapropriar as áreas, o que não foi feito, o que justificaria o pedido de indenização formulado pelo estado.

A ministra da Advocacia-Geral da União (AGU), Grace Mendonça, destacou que todas as Constituições a partir de 1934 reconheceram que as áreas de ocupação permanente de povos indígenas devem permanecer na posse deles. “Não há, nos autos, uma única comprovação que esses povos deixaram de estar presentes nessas terras. Estudos sérios e farta documentação revelam a presença desses povos nessas áreas”, disse.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, salientou que as conclusões dos laudos periciais são “claras, objetivas e firmes” no sentido de que as áreas são de posse imemorial dos povos indígenas. “Toda extensão constitui área de ocupação histórica e tradicional indígena, por isso foram identificadas, demarcadas, homologadas e registradas. São, portanto, terras indígenas, de propriedade da União, de usufruto permanente de povos indígenas que tradicionalmente as ocupavam e ocupam”, afirmou.


Reforma política será votada no plenário da Câmara nesta quarta-feira, diz Maia

quarta-feira, 16 agosto, 2017
Jornal do Brasil

A comissão especial que analisa a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 77/03, que trata de mudanças no sistema político-eleitoral, concluiu nesta terça-feira (15) a votação de sugestões de mudanças ao texto do substitutivo apresentado pelo relator da reforma política na Câmara, Vicente Cândido (PT-SP). As propostas mais polêmicas –  do voto majoritário, conhecido como distritão, assim como a criação de um fundo público com a previsão de R$ 3,6 bilhões para financiar as campanhas eleitorais a partir do ano que vem – foram mantidas. Segundo interlocutores, a ideia de colocar logo em votação a PEC é justamente para encerrar mais rapidamente as polêmicas e aprovar as propostas.

Na comissão, os deputados mantiveram a proposta do relator de permitir que um candidato figure tanto na lista majoritária, quanto na lista pré-ordenada pelo partido. Dessa forma, o candidato poderá disputar mais de um cargo, majoritário e proporcional, a partir das eleições de 2022. Os deputados, no entanto, votaram pela retirada do artigo que estabelecia que o suplente de senador seja o deputado federal mais votado do partido.

 

Rodrigo Maia anunciou que a reforma política será votada na Câmara nesta quarta-feira
Rodrigo Maia anunciou que a reforma política será votada na Câmara nesta quarta-feira

Distritão

A comissão aprovou na última semana o texto base do relator, mas incluíram na proposta o voto majoritário, conhecido como distritão. Pela proposta, ganha o candidato que receber mais votos. O novo modelo valeria para as eleições de 2018 e 2020, como uma transição para a adoção do voto distrital misto em 2022.

O chamado distritão permite que deputados federais, estaduais, distritais e vereadores, antes eleitos de forma proporcional considerando os partidos e coligações, passem a ser escolhidos pelo número absoluto de votos, da mesma forma como são eleitos prefeitos, governadores e o Presidente da República.

No relatório inicial, Cândido propôs a manutenção do sistema atual para 2018 e 2020 e, a partir de 2022, a adoção do voto distrital misto, que combina votos majoritários e em lista preordenada dos partidos. A sugestão, no entanto, foi rejeitada pela maioria dos deputados da comissão.

Do texto original proposto pelo relator, os deputados aprovaram a criação de um fundo público com a previsão de R$ 3,6 bilhões para financiar as campanhas eleitorais a partir do ano que vem. Os parlamentares mantiveram também a sugestão de estabelecer um mandato temporário de 10 anos para ministros do Poder Judiciário.

Além de rejeitar o sistema eleitoral proposto por Cândido, os membros da comissão também divergiram da proposta que previa a extinção de cargos de vice para os cargos de prefeito, governador e Presidente da República, além da forma de eleição de vereadores a partir do sistema distrital misto.

Críticas ao texto

O líder do PT, Carlos Zarattini (PT), defendeu o financiamento público de campanhas, argumentando que o financiamento empresarial é uma das causas da corrupção nas eleições e que foi proibido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 2015.

Porém, criticou o “distritão” para a eleição de deputados e vereadores e defendeu as listas preordenadas, elaboradas pelos partidos. “O distritão empobrece a democracia, piora a representação e prejudica a renovação”, afirmou Zarattini, informando que o PT votará contrariamente a esse sistema em Plenário.

Já o deputado Alessandro Molon (RJ) anunciou que a Rede votará contrariamente à criação do fundo de financiamento público das campanhas. Para ele, o fundo vai contra “o que quer a sociedade brasileira”.

O relator, Vicente Cândido, salientou que a proposta constitucionaliza o fundo, mas que ele ainda terá de ser regulamentado. “Em se baixando o custo das campanhas a partir de 2020, a partir de 2022 creio que é possível ajustar também um fundo eleitoral mais adequado à realidade orçamentária brasileira”, disse.

Mandato no Judiciário

A PEC também fixa mandato de dez anos para ministros de tribunais superiores, como o STF e o Superior Tribunal de Justiça (STJ). Além disso, estabelece novas datas para a posse de presidente (7 de janeiro) e para governadores e prefeitos (9 de janeiro). Hoje, todos são empossados em 1º de janeiro.

Após ser aprovado em dois turnos pelo Plenário da Câmara, a proposta seguirá para o Senado. Os parlamentares têm até 7 de outubro para aprovar mudanças a fim de que novas regras entrem em vigor já em 2018.

 


Rui anuncia concurso com 3,4 mil vagas para professores e coordenadores pedagógicos

terça-feira, 15 agosto, 2017

  Em reunião com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Bahia (APLB), nesta segunda-feira (14), na Governadoria, o governador Rui Costa anunciou detalhes sobre concurso público para contratação de 2.796 professores e 664 coordenadores pedagógicos. As vagas do certame serão municipalizadas e distribuídas por 365 cidades baianas. O Governo do Estado também aumentou para 70% o percentual de gratificação por Condições Especiais de Trabalho (CET) de todos os diretores escolares da rede de ensino. Ainda como resultado da reunião com a APLB, o governador autorizou a ampliação da jornada de trabalho para aqueles educadores que trabalham 20h semanais e desejam passar para o regime de 40h, recebendo o dobro do salário.
“A reunião foi muito positiva. Conversamos sobre os pleitos, as demandas dos professores, e saímos com boas notícias. O concurso, que terá um total de 3.460 vagas, será publicado em, no máximo, 60 dias. Além disso, anunciamos a incorporação para 1.078 professores da ampliação da jornada de trabalho, de 20h para 40h semanais. E, cumprindo um compromisso meu, também aumentaremos a remuneração de diretores de escola. Marquei uma nova reunião com a APLB para a segunda quinzena de setembro, quando conversaremos sobre o restante da pauta, com as promoções dos reajustes que vamos praticar ainda este ano, em função dos cálculos que estamos fazendo pra dar garantias que possamos fazer melhoria salarial associada à segurança, tanto dos aposentados, quanto dos professores da ativa”, afirmou Rui Costa.
Segundo o secretário estadual da Educação, Walter Pinheiro, o governador está apostando firmemente na mudança pedagógica e no apoio à escola. “Além das vagas oferecidas no concurso, estamos aumentando a carga horária de 262 coordenadores pedagógicos de 20 para 40 horas semanais com o objetivo de cobrir a totalidade de nossas escolas com coordenação pedagógica. Os novos professores também vão trabalhar num regime de 40 horas, o que possibilita uma maior interação e ambientação do professor com a escola, e consequentemente uma melhora do trabalho que é feito”, explicou.
Os concursos para os educadores e o aumento de carga horária têm o objetivo de suprir a vacância deixada pelo grande volume de aposentadorias e garantir a prestação dos serviços da rede pública de ensino, composta por 1.297 unidades escolares.
A abertura dos certames e a concessão de aumento de carga horária remunerada foram possíveis em função de o Estado ter saído do limite prudencial com gastos de pessoal, como determina a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). A Secretaria da Administração do Estado (Saeb) está em fase de preparação dos editais.
As 2.796 vagas abertas para professores do ensino médio e fundamental vão gerar um impacto de R$ 117,6 milhões, a partir de janeiro de 2018. As vagas serão para professores do magistério público com carga de 40 horas semanais. Já com as 664 vagas de coordenadores pedagógicos, o Governo terá uma despesa com custeio de R$ 29,4 milhões, no exercício 2018.
De acordo com o presidente da APLB, Rui Oliveira, a reunião foi proveitosa. “Decidimos pontos importantes com o governador, que figuram como uma grande vitória do movimento sindical.  Vamos continuar discutindo sobre promoções e outras questões em outro encontro que já deixamos marcado”.
Carga horária
O Governo vai abrir processo para a ampliação de carga horária de 816 professores do ensino fundamental e médio. O acréscimo dos gastos com ampliação da carga horária será de 29,4 milhões no exercício de 2018. Os processos de aumento da carga horária devem ser solicitados individualmente pelos interessados e estarão condicionados à existência de vaga no quadro de magistério público estadual, além da observância dos critérios previstos no Estatuto do Magistério.
Também foram abertas 262 vagas para aumento de carga horária de coordenadores pedagógicos. Eles vão sair de uma carga de 20 horas para 40 horas semanais. A medida teve entendimento favorável da Procuradoria Geral do Estado (PGE), em função de suprir a vacância de aposentados, exonerados e falecimentos.
Bolsa Permanência
A Bolsa de Estímulo à Permanência em Atividade de Classe é outra medida do Governo do Estado para garantir a boa prestação dos serviços da rede pública de ensino, em função da grande quantidade de aposentadorias de educadores.
Em dezembro de 2016, a administração estadual abriu três mil vagas da bolsa para professores que já possuem os requisitos para aposentaria, mas que desejam permanecer em atividade. Aqueles que optarem pela bolsa e decidirem continuar lecionando recebem valores entre R$ 800 e R$ 1,6 mil, dependendo se a carga horária é de 20 ou 40 horas.

Segundo o secretário estadual da Educação, Walter Pinheiro, o governador está apostando firmemente na mudança pedagógica e no apoio à escola. “Além das vagas oferecidas no concurso, estamos aumentando a carga horária de 262 coordenadores pedagógicos de 20 para 40 horas semanais com o objetivo de cobrir a totalidade de nossas escolas com coordenação pedagógica. Os novos professores também vão trabalhar num regime de 40 horas, o que possibilita uma maior interação e ambientação do professor com a escola, e consequentemente uma melhora do trabalho que é feito”, explicou.

http://institucional.educacao.ba.gov.br/node/25972