A REVOLUÇÃO DEMOCRÁTICA

sábado, 4 dezembro, 2010

Ao programa em curso no Brasil de ampliação dos direitos sociais, inclusão de milhões de brasileiros no mercado de consumo, consolidação das instituições da sociedade civil e elevação da participação popular nas decisões públicas, tem se chamado comumente no PT e em setores da esquerda de Revolução Democrática. Aqui na Bahia, a experiência do primeiro mandato do governador Jaques Wagner remete também a um acerto da mesma estratégia política e de modelo programático.

A Revolução Democrática na Bahia se afirmou pela inversão das prioridades, num estado marcado por profundas desigualdades sociais, entre as maiores da nação. Desenvolvimento, inclusão e democracia passaram a ser um todo, inseparável, partes de um mesmo projeto. A novidade, com os governos Lula e Wagner, é que agora incluir é desenvolver. Essa opção estratégica mudou a presença do Estado na economia. Fez com que o bolo crescesse mais porque está sendo repartido com os que mais precisam.

Uma análise das carências de água e saneamento, moradia, saúde e alfabetização, revela o quadro de injustiça social acumulado há décadas. É por isso, que as principais ações do governo focaram os pobres, que necessitam mais do Estado presente em suas vidas. A Bahia se tornou referência em programas sociais, como o Água para Todos, Todos Pela Alfabetização (TOPA), Casa da Gente e na ampliação da saúde pública. Ao tempo que combateu a exclusão, o governo enfrentou os gargalos do desenvolvimento. Na infra-estrutura, a restauração das estradas, as conquistas da Via Expressa, Ferrovia Oeste-Leste, Porto Sul e obras para a Copa 2014. Mais energia com o Gasene.

Nesse primeiro mandato, o PIB baiano cresceu acima da média nacional, alcançando a chinesa taxa de 10% no primeiro semestre de 2010. Foram batidos todos os recordes na geração de empregos. Em menos de quatro anos, mais postos de trabalho com carteira assinada gerados que a soma dos 12 anos anteriores. Não se pode deixar de creditar parcelas desse sucesso a estratégia da Revolução Democrática. É comum em toda a Bahia, inclusive em segmentos empresariais, a constatação da mudança do ambiente político e de negócios. Mais livres, as forças econômicas e sociais produziram mais em nosso estado.

A liberdade também chegou aos entes institucionais e federativos. O governador, ao firmar uma relação de autonomia e independência com os demais poderes, restabeleceu de fato a república na Bahia. Da mesma forma, pois fim à perseguição estatal aos adversários políticos, promovendo uma relação republicana com partidos e agentes públicos. A sociedade foi convocada a participação no governo. A elaboração das políticas públicas foi realizada por milhares de mãos mobilizadas para a cidadania.

Começou com a peça maior do planejamento de governo, o Plano Plurianual, feito de forma participativa em todos os Territórios de Identidade. Conferências setoriais em todas as áreas. Os movimentos sociais reconhecidos. Os empresariais tratados com profissionalismo. Os servidores públicos trocaram o protocolo sem resposta pela mesa de negociação. Negros, mulheres e jovens valorizados institucionalmente. Religiões respeitadas. Desobstruídos os canais da interlocução entre governo e sociedade, respira-se mais democracia na Bahia!

Nas eleições de outubro, uma vitória maiúscula. Praticamente dois em cada três eleitores votaram na chapa Wagner-Otto, a eleição da ampla maioria parlamentar, dos dois Senadores e da presidente Dilma. Está consolidada a transição e demarcado o novo período histórico na Bahia. A esperança de 2006 se renovou para o futuro. A governança sai amadurecida com a aprovação do programa da Revolução Democrática e pela consagração da liderança de tipo novo, democrática e eficiente, do governador Wagner.

Do próximo governo é de se esperar os ajustes necessários e que aprofunde o projeto de mudanças iniciado em 2007. Que faça muito mais do mesmo. Promova direitos sociais, fortaleça a democracia e coloque a Bahia entre os estados mais desenvolvidos do país. Revolução Democrática é o nome da nova hegemonia. A Bahia vai seguir em frente.

Robinson Almeida é o assessor-geral de Comunicação Social do Governo da Bahia

ROBINSON ALMEIDA

 


Concurso dos Correios: saiu nova seleção para 10 mil vagas. Vai encarar?

sábado, 4 dezembro, 2010

O prazo de inscrição será de 10 a 21 de janeiro

Os Correios divulgaram nesta quinta-feira (02) o extrato de edital de um novo concurso, com previsão de abrir cerca de 10 mil vagas, em todo o país, para os cargos de atendente comercial, carteiro e operador de triagem e transbordo, com exigência de ensino médio.

A previsão é que o edital completo seja divulgado ainda nesta quinta-feira, no site dos Correios. O prazo de inscrição será de 10 a 21 de janeiro, com taxa de R$ 30.

A nova seleção é aberta um ano depois do concurso para  6.565 vagas na empresa, que até hoje não saiu do papel, apesar de ter mais de um milhão de inscritos.

Os Correios também publicaram nesta quinta-feira um edital de chamamento para uma audiência pública a ser realizada no dia 16 de dezembro para discutir o que será feito em relação aos candidatos inscritos no concurso anterior. De acordo com o edital da audiência, o objetivo é “submeter minuta de edital de concurso público para análise e coleta de sugestões”.
A audiência está marcada para as 14h30min do dia 16 de dezembro, no edifício sede dos Correios, em Brasília. De acordo com o extrato de edital, quem não puder comparecer pode enviar pedidos de esclarecimentos e sugestões por e-mail ou fax, até 10 de dezembro, sempre por escrito, com identificação (nome, telefone, fax, e-mail, endereço).

Os pedidos devem ser endereçados ao Presidente da Mesa Diretora, e devem fazer referência ao número da audiência pública (que é 1/2010). Os pedidos devem ser enviados ao e-mail moacirmartins@correios.com.br ou pelo fax (61) 3426-2859

 


Assalto em Queimadas: bandidos ainda cercados em Itiúba; operação tem 2 helicópteros e várias guarnições da PM

sábado, 4 dezembro, 2010

Policiais continuam nas estradas de acesso a Itiúba

Quinze bandidos fortemente armados invadiram a agência do Banco do Brasil no município de Queimadas, por volta das 12h30 desta quarta-feira (01/12). O assalto provocou uma morte e pânico na cidade. Veja novas informações.

Segundo informações de Mônica Oliveira, moradora de Itiúba, nesta quinta-feira (02), em exclusividade para o Portal Interior da Bahia, os bandidos continam cercados nas caatingas deste município, conforme informou o nosso leitor Josias Gomes anteriormente (vide nota abaixo).

Dois helicópteros da Policia Militar, enviados pela Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) participam das buscas aos bandidos, sobrevoando as áreas. Várias guarnições da policia de municípios da região participam da operação.

Mônica Oliveira informou ainda que os bandidos fugiram de Queimadas e seguiram pela rodovia BA-120, no sentido Cansanção e Itiúba. Neste municipio, eles passaram pelos povoados de Jacurici e Cacimbas. Na passagem por Jacurici, há suspeita de que eles levaram um pescador como refém.

No inicio da noite os assaltantes se deslocaram para o povoado de Mangabeira, na divisa de Itiúba com Cansanção. “Nós checamos todas as informações. Falei com uma rádio Comunitária de Queimadas e com meu irmão, que mora lá. Só morreu uma pessoa, que foi o esposo da vereadora, e um policial ficou ferido”, disse Mônica, que trabalha no serviço de alto-falante GPS Publicidade, em Itiúba.

Veja as primeiras informações sobre o assalto

Segundo informações, após a ação, os assaltantes fugiram e levaram o gerente da agência e mais dois seguranças como reféns. Contudo, os três foram liberados na saída da cidade.

Os bandidos estavam encapuzados e fortemente armados. Segundo a polícia, 15 bandidos participaram do assalto. Na troca de tiros, um policial identificado como Cosme Lima ficou ferido e uma pessoa morreu.

Ao entrarem na cidade e avistarem uma viatura da polícia, em frente à prefeitura, os bandidos atiraram. No momento, Silvano Queiroz participava de uma passeata, reagiu e foi alvejado pelos tiros, morrendo no local. Ele era esposo da vereadora Ivanivalda Queiroz dos Santos Silva (PTN), conhecida por Valda.

Os assaltantes fugiram num veículo Strada na direção do município de Cansanção, vizinho de Queimadas. Nem a polícia nem os funcionários do banco souberam informar a quantia em dinheiro levada por eles.

O município de Queimadas fica na região Nordeste do Estado, aproximadamente a 300 km de Salvador. Sua população estimada é de 26 mil habitantes.

Leitor envia informações exclusivas:

Depois de assaltarem a agência do Banco do Brasil em Queimadas, os assaltantes fugiram em direção ao município de Itiúba, as 13h30, pelas estradas vicinais da zona rural que liga Queimadas a Itiúba, passando no povoado de Jacurici da Leste e pegando duas pessoas de refém.

O helicóptero da Polícia Militar está neste momento sobrevoando o município de Itiúba para tentar capturar os assaltantes. Os assaltantes estão motorizados em uma Fiat Strada. Foram acionadas as policias das cidades vizinhas para fecharem o cerco dos meliantes. Tudo indica que ainda se encontram no do município de Itiúba.

Josias Gomes

 


Wagner pode criar secretaria do Bolsa Família

sábado, 4 dezembro, 2010

Bahia é um dos estados onde o programa tem mais inscritos

O governador Jaques Wagner (PT) estaria avaliando a possibilidade de criar em seu governo a secretaria dos programas Bolsa Família e da Agricultura Familiar.

A decisão vem da tentativa que empreende junto com o governador de Sergipe, Marcelo Déda (PT), de desmembrar do Ministério do Desenvolvimento Social o programa social que garantiu ao presidente Lula seu inabalável e surpreendente pico de popularidade.

Com colegas petistas do Nordeste, Wagner tem defendido a idéia de que a região deveria comandar, nos próximos quatro anos, a principal vitrine eleitoral do atual governo. A aliança com Déda, com quem passou a se encontrar regularmente desde a semana passada, foi uma das formas que encontrou para enfrentar também o poderio do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB).

Igualmente determinado a ocupar espaços importantes no futuro governo Dilma sob o mesmo argumento de que representa o Nordeste, Campos tem como uma de suas marcas a agressividade com que compromete o governo federal com investimentos em infra-estrutura em seu Estado, uma característica que opositores dizem não ver no governador baiano.

O ministério dos sonhos do governador, do PT e de parte considerável do governo dele seria o da Integração Nacional, ocupado desde o início do segundo governo Lula pelo deputado federal Geddel Vieira Lima (PMDB), maior adversário de Wagner no Estado e cuja participação na administração Dilma Rousseff ele vem tentando vetar por motivos óbvios.

Para os governistas de maneira geral, a conquista de pelo menos um ministério pelo governador é considerada uma questão de honra, sob pena de passar a idéia de desprestígio junto ao poder central.

O desafio de Wagner, entretanto, é vencer a lógica da ocupação de poder em Brasília que privilegia a importância dos partidos que comandam o Congresso em detrimento de Estados como a Bahia.

Informações do Política Livre.