Na premiação do futebol do ano, o Bahia ganha o troféu “Torcida de Ouro”

terça-feira, 7 dezembro, 2010

Torcida tricolor foi homenageada no Prêmio Craque Brasileirão

A torcida do Bahia foi premiada na noite desta segunda-feira (6) no Prêmio Craque Brasileirão, organizado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), com o troféu Torcida de Ouro.

O apresentar Evandro Mesquita destacou a fidelidade da torcida tricolor, que “não arredou o pé” de perto do time, mesmo nos piores momentos. A média de público do Bahia no ano, cerca de 400 mil, também foi destacada.

O ministro dos Esportes, o baiano Orlando Silva, foi quem entregou o troféu, recebido pelo presidente do Bahia, Marcelo Guimarães Filho.  A atitude do ministro, torcedor assumido do Vitória, não foi bem recebida pelos tricolores, homenageados da noite.

Silva parabenizou os campeões das séries A, B e C – Fluminense, Coritiba e ABC -, elogiou o Internacional, campeão da Libertadores, e o Goiás, representante brasileiro na Sul-Americana, mas não comentou em nenhum momento o Bahia ou sua torcida, justamente o troféu que foi entregar.

Enquanto o presidente do Bahia subia para receber o troféu em nome do clube, o outro apresentador do evento, o ator Marcos Palmeira, brincou com Orlando Silva. “Ministro, fique tranquilo que ano que vem o Vitória vai subir. Caiu mas vai subir, não se preocupe”, disse.

Um vídeo com cenas do Bahia ao longo da campanha do acesso à Série A foi exibido no Teatro Municipal, no Rio de Janeiro, ao som do hino tricolor. Estavam presentes na cerimônia o presidente Luís Inácio Lula da Silva, o governador carioca Sérgio Cabral e outras autoridades.

Informações Globo.com

 


Itororó: Beneficiada pelo programa do Gugu acusa equipe de desonestidade

terça-feira, 7 dezembro, 2010

Vizinho que ficou com parte dos móveis se recusa a entregar

A itororoense Maria de Fátima Teles Rocha, beneficiada a mais de um mês pelo quadro De Volta Pro Meu Aconchego, exibido aos domingos na TV Record, está decepcionada com alguns integrantes da equipe do Programa do Gugu e também com o vizinho.

Em entrevista a dois repórteres de Itapetinga ela narrou os problemas que vem enfrentado depois da gravação do quadro que só deve ir ao ar após o término do programa A Fazenda, reality show apresentado pela a referida emissora.

De acordo com Maria de Fátima, com a chegada de todos os móveis e com a aparelhagem da equipe de filmagem a casa ficou pequena, sendo necessário deixar alguns móveis na casa de um vizinho conhecido como Gil do Gás, que também trabalhou para TV na reforma da casa. Mas após toda a gravação o vizinho recusou a liberar os móveis alegando que teria recebido da equipe como pagamento pelo trabalho.

Quando informada sobre a confusão um membro da equipe manteve contato com Maria de Fátima através do celular, pedindo desculpas sobre o ocorrido e que teria deixado para Gil como forma de pagamento apenas o guarda-roupas, ainda assim o mesmo continua negando a entrega dos móveis. Segundo a denunciante, a casa está molhando e a cerâmica está soltando.

“Pra mim foi especial ter conhecido o Gugu, conhecido a Record, ter ganhado a casa, mas poderia ser diferente, hoje eu não queria esta aqui correndo atrás de uma coisa que me tiraram, eu pensei que eu ia ter sossego, paz. Agradeço muito a Liberato, só que as pessoas que trabalharam com ele não foram dignas, não foram honestas comigo, espero que após esta reportagem a TV Record faça alguma coisa”.

Informações do Itapetinga Repórter / Foto – Tiago Bottino

 


Comunicado

terça-feira, 7 dezembro, 2010

Prezados colegas musicoterapeutas e alunos de Musicoterapia brasileiros,

Um Grupo de Trabalho da AMT-PR está criando estratégias para reivindicar a participação efetiva dos musicoterapeutas no Sistema Único de Assistência Social (SUAS), política que está em discussão nesse momento. Para tanto, precisamos de informações sobre a atuação dos musicoterapeutas nos serviços de Assistência Social. Esses serviços compreendem: Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), Centros de Referência Especial de Assistência Social, centros de convivência, serviços sócio-educativos, cuidado de rua, plantão social, casa lar, albergue, abrigo, acolhimento institucional, casa de passagem, Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) entre outros, incluindo serviços e locais associados ao trabalho da Assistência Social (como uma associação de moradores, por exemplo). Dessa maneira, pedimos que os profissionais musicoterapeutas respondam ao questionário abaixo, que solicita informações sobre atuação, pesquisa e estágio (estagiários de Musicoterapia podem responder este item sobre estágio) e o enviem com muita rapidez ao grupo de trabalho utilizando o e-mail: levantamento.mt.suas@gmail.com (exclusivamente este e-mail). Se você recebeu um questionário pedindo informações do SUAS anteriormente, desconsidere o antigo e utilize este, por favor.

O questionário abaixo é simples, direto e seu preenchimento e envio é rápido. Os dados enviados são importantes para o grupo de trabalho conhecer a realidade dos musicoterapeutas na Assistência Social e expressar junto ao SUAS nosso desejo e capacidade de participação nesse sistema.

Atenciosamente,

Laize Guazina

Grupo de Trabalho MT/SUAS (em vias de ampliação)

Mt. Laize Guazina

Mt. Jakeline Silvestre F. Vitor

Mt. Magali Dias

Mt. Camila S. G. A. Gonçalves

Mt. Rosângela Landgraf

Mt. Leonardo Cunha

 

QUESTIONÁRIO MT/SUAS

I. Nome:

II. Se você é um musicoterapeuta que trabalha (ou já trabalhou) em um serviço de assistência social responda*:

a) Nome da instituição em que você trabalha/trabalhou na assistência social:

b) Tipo de serviço (abrigo, casa lar etc.):

c) População atendida:

d) É pública? ( ); é privada? ( ); outro? ( ). Se for outro, especifique o tipo:

e) Cidade e Estado:

f) Cargo ocupado:

g) Você é concursado ou contratado?

h) Período em que trabalhou ou trabalha nesse local (especifique em que ano(s)):

 


Corpo de Luis Eduardo Magalhães vai ser exumado por causa de ação

terça-feira, 7 dezembro, 2010

Ex-deputado Luis Eduardo Magalhães e sua suposta amante

O corpo do deputado Luis Eduardo Magalhães será exumado por conta de uma ação de reconhecimento de paternidade de um rapaz de 16 anos, filho de Siméa Maria de Castro Antum.

A informação é da Revista Veja e a decisão foi do juiz Jayder Ramos de Araújo foi tomada levando em conta que os filhos do deputado não aceitaram fazer o exame.

A revista afirma que Siméa não apenas vivia no apartamento funcional do deputado, como trabalhava no seu gabinete.   E que, após a morte de Luis Eduardo, ela permaneceu primeiramente no gabinete do Senador Antonio Carlos Magalhães  e depois no do seu filho ACM Jr.

 

A revista afirma ainda que os filhos do deputado, ao tomar conhecimento da existência do suposto irmão, admitiram, caso o exame de DNA fosse positivo, incluí-lo na partilha de bens, e sugeriram uma mesada de R$ 10 mil por mês.

A mãe do rapaz achou pouco e entrou a ação de reconhecimento de paternidade. Vencendo a ação o rapaz, cujo nome não foi divulgado, teria direito a algo como 11 milhões de reais.

Fonte: interiordabahia.com.br

 


PARANÓICOS SÃO ELES

terça-feira, 7 dezembro, 2010

Por Carlos Chagas

Das mais de 200 mil mensagens de embaixadores e altos funcionários dos Estados Unidos transmitidas  ao Departamento de Estado, agora reveladas pela ONG Wikileaks, perto de 2 mil foram oriundas de representantes americanos no Brasil. Muitas óbvias, mais ainda  de tolas, algumas  de valor e outras de  considerável teor maléfico.

Tome-se uma das mais perigosas, na medida em que, em Washington,  tenham sido consideradas essenciais para o relacionamento entre os dois países. Referiu-se o então embaixador Clifford Sobel, dos tempos do governo George W. Bush, à “tradicional paranóia brasileira” diante das ameaças de conquista e  internacionalização da Amazônia.

Não se trata apenas de uma distorção da realidade, já que paranóia não há, entre nós, senão cuidados mais do que necessários para a preservação da região.  O que o embaixador quis alimentar foi a estratégia  de camuflar a ameaça sempre presente contra nossa soberania. Difundir  a impressão de que, no Brasil, apenas “uns paranóicos” preocupam-se com a defesa da floresta, patamar capaz de estimular ainda mais a  evidente cobiça internacional. Sobel mandou um recado, um estímulo a que o governo americano não esmoreça na tentativa de apoderar-se da Amazônia. Para ele coisa fácil, apenas enfrentada por uns  poucos.  Falso diplomata que era, empresário de goela aberta que continua sendo, certamente  empenhava-se  em obter vantagens pessoais.

Ficamos sabendo, por aquele aparentemente singelo comentário, que o perigo permanece. Desnecessário se torna repetir as sucessivas declarações de líderes americanos a respeito da internacionalização. George W. Bush, quando em campanha para a Casa Branca, revelou-se por inteiro ao sugerir que os países com amplas dívidas externas viessem a trocá-las por territórios,  “em especial florestas tropicais”.  Bill Clinton falou da soberania relativa que Brasil, Peru, Bolívia e outras nações teriam sobre a Amazônia, enquanto Al Gore foi mais adiante, sustentando  que  a região   pertencia à Humanidade, só ela em condições de evitar o desmatamento e a poluição mundial.

Se é verdade que Barack Obama até agora não abriu a boca para enfrentar a questão, também é certo que o olho de Washington continua voltado aqui para baixo. A lei de aquisição de terras na floresta continua aberta a estrangeiros, as ONGs do Hemisfério Norte dominam vastas reservas indígenas e a Quarta Frota da Marinha de Guerra dos EUA permanece navegando no Atlântico Sul.

 

A HERANÇA DO LULA

Fosse feita uma pesquisa junto ao brasileiro médio a respeito do que mais caracterizou os oito anos do governo Lula e o resultado não iria diferir muito de quatro ítens principais:   o bolsa-família, a criação de  novos  empregos, a estabilidade na economia e agora, por último, o ingresso das forças armadas na defesa da segurança pública.

São quatro pilares que só o futuro mostrará se sólidos ou capazes de ser corroídos,  mas, de qualquer forma, evidências que  marcam os dois mandatos do primeiro-companheiro.

 

CORAGEM, DIGNIDADE E PRESSÃO

Ernest Hemingway escreveu certa vez que “a coragem é  a dignidade sob pressão”. Dignidade a presidente Dilma Rousseff  possui em altas doses,  bastando atentar para sua biografia. Pressão, ela está sofrendo aos montes,  de partidos e grupos empenhados em obter vantagens e benesses  de toda ordem.  Está na hora da coragem para espantar os  urubus que tentam voar em torno de seu governo.

 

PAX ARMADA

Previsto para acontecer esta semana, o encontro entre o governador Geraldo Alckmin e o senador Aécio Neves poderá selar uma espécie de armistício no  ninho tucano.  Mesmo sem  querer, os dois ocupam o comando  dos bicos e plumagens em choque. O paulista,  assentado nas estruturas que, mesmo derrotadas, ainda exprimem a força maior do PSDB. O mineiro,  como representante dos demais contingentes tucanos ávidos de renovação  e empenhados em livrar-se da tutela do grupo fundador da legenda. Como nem Alckmin nem Aécio desejam a guerra, ainda que comandando  as respectivas legiões, é possível que venham a estabelecer uma pax armada.

 


Fluminense-RJ é campeão Brasileiro; Vitória empata e é o último rebaixado

terça-feira, 7 dezembro, 2010

Vitória não teve forças e foi rebaixado para a Segunda Divisão

O Fluminense do Rio de Janeiro venceu o Guarani-SP por 1 a 0 e conquistou o título de Campeão Brasileiro 2010.

O Cruzeiro também venceu o Palmeiras por 2 a 1 e ficou com a segunda colocação, ultrapassando ao Corinthians, que empatou em 1 a 1 com o Goiás. Já o Vitória, amarelou e desceu.

Em uma partida marcada por emoções e muita vontade, o Vitória acabou empatando com o Atlético-GO em 0 a 0, neste domingo, no Barradão, e acabou sendo rebaixado para segunda divisão do Campeonato Brasileiro.

A presença de mais de 30 mil torcedores rubro-negros no Barradão não foi suficiente para empurrar o time do Vitória no jogo contra o Atlético-GO na tarde deste domingo (5). O time baiano ficou no empate sem gols contra Dragão, oponente direto na luta contra o rebaixamento, e com o resultado volta à Série B depois de três anos.

As duas equipes terminam a competição com 42 pontos, mas com vantagem no número de vitórias para o Atlético-GO – 11 contra nove. Assim, o Vitória se junta a Guarani, Goiás e Grêmio Prudente no grupo dos quatro clubes que disputarão a Segunda Divisão na temporada 2011.

O jogo

Uma vitória simples era suficiente para salvar o Leão baiano deste resultado, mas o Vitória começou o jogo apático e a torcida parecia sentir isso. O Atlético, fechadinho, esperava a chance de contra-atacar e conseguir fazer um gol. Não parecia o jogo dramático e aguerrido que a torcida esperava. Com a vantagem do empate, o Atlético estava mais tranquilo em campo.

No segundo tempo, o Atlético foi superior. Já aos 9 minutos, Juninho se aproveitou de uma falha da zaga do Vitória, driblou Viáfara na área e chutou para o gol, mas Neto Coruja tirou, mandando para escanteio.

O mesmo Juninho perdeu outra oportunidade aos 31 minutos, quando escapou sozinho, invadiu a área e chutou colocado. Viáfara fez uma bela defesa. No minuto seguinte, foi Marcão quem recebeu um belo passe de Gilson, mas chutou muito em cima do goleiro do Leão.

No fim do jogo, abatido psicologicamente, o Vitória não encontrou forças para marcar. E levou sorte em não sofrer um gol, que seria um desastre antecipado no Barradão. Viafara salvou a equipe, pelo menos de um rebaixamento mais humilhante.

Fonte: interiordabahia.com.br


Tucano lidera a oposição e vira opção para 2012 em Vitória da Conquista

terça-feira, 7 dezembro, 2010

Dutra liderou a campanha de Serra no 2º turno em Conquista

Passadas as eleições presidenciais deste ano, os partidos começam a colher os frutos do trabalho desenvolvido durante o pleito.

Em Vitória da Conquista, o resultado favoreceu, paradoxalmente, os aliados de José Serra (PSDB), presidenciável derrotado nestas eleições. O fato se explica pela vitória do tucano na cidade nos dois turnos, com expressiva vantagem.

Embora isso não tenha representado à vitória de Serra no âmbito nacional a oposição de Vitória da Conquista e no seu presidente, Claudionor Dutra, saiu fortalecida e pretende mostrar sua cara no cenário político futuro.

“A união entre as oposições foi o melhor que aconteceu. Conseguimos exercer essa liderança e agora precisamos saber se isso vai durar até as próximas eleições. Para isso vamos ter maturidade política e capacidade de gestão para que as lideranças percebam como vão se portar”, disse o líder.

Há quem acredite que esse gênero aparentemente conciliador pode ajudar Ticolô, como é conhecido o tucano, a agregar a oposição para os planos futuros do partido.

Fonte: interior da Bahia.com.br