Acordo entre Mercosul e União Europeia é fundamental para economia brasileira

Europa espera posição mais clara por parte do Mercosul, destaca diretor da Fiesp

A União Europeia reluta em marcar uma data para troca de ofertas de liberalização de comércio entre ela e o Mercosul sem que haja maiores definições sobre como seria este acordo. Mas o esforço do governo brasileiro em acertar uma decisão já foi muito bem-vindo, aponta odiretor titular do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior da Fiesp, Thomaz Zanotto, em conversa com o JB.

Uma vez que se trocam as ofertas de negociação, ainda levaria um ou dois anos para o acordo entrar em vigor. Trata-se então de um projeto de longo prazo, mas fundamental para a economia do país e para acompanhar as novas regras que estão se desenhando no comércio internacional, considerando outros acordos de livre comércio como a Aliança do Pacífico ou a parceria Transatlântica entre Estados Unidos e Europa.

0660
Presidenta disse que partes vão apresentar em breve propostas para aumentar fluxo de comércio

Os países do Mercosul poderão em breve começar a negociação para um acordo comercial com a União Europeia. A presidenta da República, Dilma Rousseff, disse nesta quarta-feira (10) que as duas partes vão apresentar em breve suas propostas para aumentar o fluxo de comércio de mercadorias entre as regiões.

Dilma chegou a fixar a data de 18 de julho para troca de ofertas, mas a comissária europeia do comércio, Cecilia Malmström, avaliou na quinta-feira (11) que os dois lados ainda não estavam prontos para os acertos finais, para definir “garantias sobre o nível de ambição” das ofertas. Uma nova reunião estaria sendo cogitada para a partir de outubro, para tentar definir uma data.

>> Na Bélgica, Dilma diz que Mercosul está pronto para acordo com a União Europeia

>> Brasil não “perdeu paciência” com Argentina em negociação com UE, diz presidenta

>> ‘La Nación’: Brasil avança em seu acordo com a União Europeia

Zanotto salienta que a Europa está esperando uma posição mais clara por parte do Mercosul sobre como o acordo lidaria com o cenário. Ele destaca também que o próprio governo brasileiro disse que poderia se avançar em dois tempos, em declarações no dia 21 de maio, quando esteve com o presidente do Uruguai, Tabaré Vásquez.

O presidente uruguaio declarou na ocasião que o acordo com a União Europeia é de “fundamentalíssima importância” para o Mercado Comum do Sul. “Continuamos mantendo firmemente o processo de integração regional. Mas, ao mesmo tempo em que valorizamos e queremos resgatar e fortalecer o Mercosul, também pretendemos adaptar o Mercosul à realidade política internacional, à realidade econômica e comercial internacional”.

Em 2013, a Fiesp já havia apresentado essa proposta de integração, “de forma muito veemente”. Um vez trocadas as ofertas de negociação, pode levar de ou a dois anos para que o acordo seja implementado, há um cronograma de implementação, explica Zanotto. “É um negócio de longo prazo, mas fundamental, no nosso entender, para a economia brasileira aumentar [sua força].”

São muitos os aspectos positivos de um acordo entre Mercosul e União Europeia, indica o diretor da Fiesp. Um deles é a possibilidade de integração com áreas do mundo que têm maior desenvolvimento tecnológico e de inovação que o Brasil, caso dos países europeus, da América do Norte e dos países do Japão.

A integração com países desenvolvidos também é fundamental para o desempenho do PIB brasileiro. O que tem estado cada vez mais claro, diz Zannoto, é que estamos passando da fase de crescimento puxada pelos países em desenvolvimento, para uma em que, de fato, o G7 (Alemanha, Estados Unidos, Reino Unido, França, Itália, Canadá e Japão) é que vai liderar o movimento ascendente, salvo alguns casos específicos, como da Índia e da China, que ainda devem registrar crescimento um pouco maior do que a média mundial.

Outro aspecto “muito importante” é o andamento de forma avançada de grandes acordos envolvendo diversos países, como no caso do acordo entre os Estados Unidos e países do anel asiático e o avanço do Transatlantic Initiative  entre Estados Unidos e União Europeia. Nesse cenário, estão sendo negociadas regras que vão efeticamente reger o comércio mundial, negociações que, no momento, o Brasil está ausente.

“As regras [que estão sendo negociados em acordos de comércio pelo mundo] estão ganhando um peso cada vez mais maior, maior até do que tarifas, haja visto dificuldades para exportar carne para a China, e outros produtos para Europa, para a Rússia, problemas relacionados a restrições sanitárias, por exemplo”, alerta Zanotto.

Seja em relação  dar um upgrade em termos de tecnologia e inovação para a indústria, seja em relação a negociação das regras, seja a questão de dar mais competitividade para a economia brasileira, que hoje sofre de “problema sistêmico de competitividade”, o acordo entre Mercosul e União Europeia seria então muito bem-vindo.

“Como esses acordos levam muito tempo, precisamos estar engajados, nós já perdemos bastante tempo afastados desse processo. Essa guinada da Dilma é bem vinda”, afirma Zanotto, que elogiou também a tendência da visita da presidente aos Estados Unidos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s