De revistas íntimas a intimidações, a humilhação que mulheres de presos enfrentam

Jornal do Brasil

 

A diferença de tratamento entre presidiários ricos e pobres não é o único problema do sistema carcerário brasileiro.  Os contrastes também se estendem a suas famílias, que herdam deles o tom com que serão tratadas. Embora tenha sido proibida em alguns estados do país, a revista íntima, também conhecida como “vexatória”, continua a ser uma prática comum na maioria dos presídios nacionais – exceto para mulheres e familiares de poderosos, como os empreiteiros presos pela Operação Lava Jato.

São inúmeros os relatos de humilhação a que as visitantes são submetidas. Elas têm que se despir, independentemente de sua idade, além de serem obrigadas a ficar de cócoras e tossir. Os agentes também inspecionam suas genitálias, alegando motivos de segurança. Na teoria, o objetivo é prevenir que celulares, drogas e armas sejam transportados para dentro das cadeias. Na prática, funciona como mais uma instância de discriminação entre o cidadão comum e aquele com poder suficiente para burlar o sistema.

Não há registros, por exemplo, de que mulheres de empresários presos pela Operação Lava Jato tenham passado pela revista vexatória durante suas visitas. Quando oito dos empreiteiros envolvidos no esquema foram transferidos para o Complexo Médico-Penal do Paraná, em julho deste ano, muito se falou sobre o assunto. A notícia era que, ao contrário do que acontecia na carceragem da Polícia Federal (PF) em Curitiba, familiares de nomes como Marcelo Odebrecht, presidente da Odebrecht, e Otávio Marques de Azevedo, presidente da Andrade Gutierrez, seriam submetidos à prática caso quisessem visitá-los.

Deste então, nada foi dito a esse respeito, apenas rumores de que as visitas a Marcelo Odebrecht são reservadas, dando lugar inclusive a abraços de sua mulher, Isabela, e de sua irmã, Mônica, que é também advogada da construtora. Presos e seus familiares costumam se encontram em parlatórios ou locais destinados a esse fim, na sua maioria separados por um vidro.

Em contrapartida, os registros de cidadãs comuns sobre os desrespeitos e humilhações sofridos parecem não ter fim. Uma moradora da Rocinha conversou com o JB sobre o assunto e, por segurança, preferiu não se identificar. Ela relatou em detalhes sua rotina de visitas ao marido, preso em função de assalto. “Eles abrem a comida, remexem a comida toda. Eu estava com uma gravidez de alto risco e tinha que sentar em um banquinho que passa radiação. Mesmo com laudo médico, eles não queriam saber”, contou.

A experiência, de acordo com ela, é de pura humilhação. “Além de tirar toda a roupa na frente de todos, ainda mandam abaixar de perna aberta de frente, de lado e de costas, sacudir cabelo, abrir a boca. É uma bolsa por pessoa, a comida é limitada – tem que caber dentro deste saco de mercado a comida, a água, o refrigerante e as coisas de higiene para ele. Quando conseguia entrar, já estava quase na hora de vir embora. A visita particular tinha que ser paga. O banheiro é grudado no chão. Pra ir ao banheiro tinha que fica de ‘coque’ (cócoras)”, lembrou.

A diferença no tratamento também não se limita às visitas carcerárias. Para citar um exemplo atual, o envolvimento de Cláudia Cordeiro Cruz nas supostas contas não declaradas de seu marido – o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – inundam o noticiário. Extratos bancários mostram um significativo aumento de saldo nunca declarado à Receita Federal. Mesmo assim, ela não sofreu qualquer represália por parte da Justiça.

Já a mulher do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza, desaparecido em 2013, não recebeu o mesmo tratamento. O delegado responsável pelo caso chegou a emitir um pedido de prisão temporária para Elizabete Gomes da Silva, alegando que ela estava envolvida com o tráfico. Por falta de provas, o relatório foi desconsiderado pelo delegado titular da 15ª DP, Orlando Zaccone. Com medo da polícia, à época Elizabete afirmou que se tratava de uma forma de “sair do foco” das investigações para tentar envolvê-la.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s