Associações de servidores criticam ‘reajuste zero’: ‘Não podemos pagar pela crise’

por Rebeca Menezes / Bruno Luiz
Associações de servidores criticam ‘reajuste zero’: ‘Não podemos pagar pela crise’

Fotos: Divulgação / GOVBA
Os servidores estaduais começaram o ano preocupados com o anúncio do governador Rui Costa de que não há previsão para reajustes salariais em 2016. Em dezembro, o gestor afirmou ter se reunido com os principais sindicatos para uma conversa “sincera”. “O reajuste de 2015 custou R$ 500 milhões, mesmo pago em duas vezes. Mesmo ruim, mesmo dividido custou R$ 500 milhões para o cidadão que paga tributo”, detalhou, ao explicar que a folha de pagamento do Estado deve aumentar cerca de 3% mesmo sem qualquer alteração nos salários base. O presidente do Sindicato dos Médicos da Bahia (Sindimed), Francisco Magalhães, classificou a fala do governador como “temerária”. “Até porque a lei estabelece que deve haver recomposição da inflação. Essa fala do governador é extremamente infeliz. O servidor não tem responsabilidade pela crise”, criticou Magalhães. Para ele, a falta de reajuste unida à PEC que alterou benefícios dados aos servidores pode provocar greves no futuro. “Isto pode culminar em paralisações. Já existe insatisfação pelas modificações feitas recentemente. Isso pode ampliar esse sentimento. [E] em nenhum momento fomos procurados pelo governador para conversar”, alertou o presidente. A mesma crítica foi feita pelo coordenador jurídico da Associação dos Policiais e Bombeiros Militares do Estado da Bahia (Aspra), Fábio Brito. “A gente não esperava declarações nesse sentido. Porque inclusive é constitucional a reposição da inflação, ainda mais com o aumento do salário mínimo”, reforçou. Brito disse que os servidores foram “pegos de surpresa” e que devem buscar o poder judiciário para garantir os direitos. Mesmo assim, garantiu que não haverá nenhum tipo de paralisação neste ano. “A gente não pretende [fazer greve]. Essa hipótese, pelo menos da parte dos PMs, está descartada. Mas a Aspra vai manter o diálogo aberto. Nós não podemos ficar a ver navios”, defendeu.

A Federação dos Trabalhadores Públicos do Estado da Bahia (Fetrab) criticou não só o posicionamento do governo do Estado, mas também a forma como a informação foi divulgada. “Estranhamos que o governador fique dizendo essas coisas na imprensa e não nos chame para conversar. De 2013 para cá, a gente tem tido muito prejuízo. A reposição da inflação só aconteceu depois de muita zoada e mesmo assim dividido em dois porcentuais. […] Não dá mais para a gente pagar pela crise”, resumiu a presidente da federação, Marinalva Nunes. Entre os líderes das principais categorias de servidores, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado (APLB), Rui Oliveira, foi o que se mostrou mais cauteloso. “Temos um acordo assinado desde o governo [Jaques] Wagner que é o reajuste linear, mais a promoção. O governo tem cumprido e nós queremos que isso prevaleça. Mas não estou falando pelas outras categorias”, explicou. Segundo Oliveira, o acordo garante um aumento de 16%, ou seja, acima da inflação. Questionado como a categoria reagiria se o reajuste não fosse dado, o presidente tergiversou: “O governador nunca disse para a gente que não vai cumprir. Eu não tenho como falar isso. Aí você tem que perguntar isso para ele”.

Do Bahia Noticias
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s