ONG Internacional diz que sediar Olimpíadas não é bom para economia

Conselho afirma que Brasil enfrenta sérios desafios por sua situação econômica e política

> > Council on Foreign Relations The Economics of Hosting the Olympic Games

Relatório do Conselho de Relações exteriores afirma que em última análise, há pouca evidência de um impacto econômico positivo em geral
Relatório do Conselho de Relações exteriores afirma que em última análise, há pouca evidência de um impacto econômico positivo em geral

O texto conta que os Jogos Olímpicos têm evoluído drasticamente desde o primeiro evento realizado em 1896. Na segunda metade do século XX, tanto os custos de hospedagem, quanto as receitas produzidas pelo espetáculo, cresceram demasiadamente, provocando controvérsias sobre os encargos apresentados pelos países sede. Um número crescente de economistas começaram a argumentar que tanto a curto quanto a longo prazo, os benefícios de sediar os jogos são na melhor e na pior das hipóteses inexistente, deixando muitos países sede com grandes dívidas e dificuldades de recuperação. Outros analistas falam que o processo de licitação e seleção deve ser reformado para incentivar o planejamento do orçamento realista, aumentando a transparência e promovendo investimentos sustentáveis e de interesse público.

O Rio de Janeiro luta contra o aumento da criminalidade, mas falta verba para pagar a polícia, investir em hospitais e pagar o salário dos médicos, além das preocupações mais recentes sobre o vírus Zika. O fato da cidade sediar os Jogos de 2016 colocaram em evidência o debate que já estava em curso sobre os custos e benefícios de ser o país sede deste evento.

Quando os custos de sediar os jogos se tornam preocupantes?

Durante grande parte do século XX, a realização dos Jogos Olímpicos representou um fardo viável para as cidades-sede. Os eventos foram realizados em países desenvolvidos, seja na Europa ou nos Estados Unidos, e na época não havia televisão, sendo assim, os anfitriões não esperavam lucrar tanto com a publicidade envolvida nas transmissões. Ao contrário do que acontece atualmente, os jogos eram financiados pelo setor público, lembrando que estes países eram avançados e contavam com uma condição melhor para suportar os custos por conta de suas economias mais bem saudáveis e infra-estrutura mais avançada.

A partir da década de 70 houve uma mudança no setor econômico das Olimpíadas. Os jogos foram crescendo rapidamente, com o número de participantes quase duplicando e o número de eventos aumentando mais de um terço. Todos os Jogos Olímpicos desde 1970 apresentaram grande aumento de custos e pouco ou nenhum retorno financeiro. O assassinato de manifestantes dias antes dos Jogos de 1968 na Cidade do México e o ataque fatal a atletas israelenses nos Jogos de 1972, em Munique, mancharam a imagem dos Jogos Olímpicos, crescendo o ceticismo público de assumir a dívida para sediar os jogos. Em 1972, Denver tornou-se a primeira e única escolhida cidade-sede a rejeitar os Jogos Olímpicos depois que os eleitores passaram um referendo recusando-se a despesa pública adicional para os jogos.

Os Jogos Olímpicos de Verão de 1976 em Montreal começaram a simbolizar os riscos fiscais de sediar uma Olimpíada. O custo projetado de US $ 124 milhões, foi mais de US $ 2,6 bilhões abaixo do custo real, em grande parte devido aos atrasos na construção e custos de um novo estádio, sobrecarregando os contribuintes da cidade, com bilhões de dólares de dívida que levaram quase três décadas para pagar.

Quais os custos de uma cidade para sediar os jogos?

As cidades devem primeiro investir milhões de dólares para passar na avaliação, e após esse gasto preparar e apresentar uma proposta ao COI. O custo de planejamento, a contratação de consultores, organização de eventos, e as viagens necessárias fica entre US $ 50 milhões e US $ 100 milhões. Tóquio gastou até US $ 150 milhões em seu falhou 2016, e cerca de metade disso para a sua bem sucedida oferta de 2020, enquanto Toronto decidiu que não poderia arcar com os necessários US $ 60 milhões para uma oferta de sediar em 2024.

Quando uma cidade é escolhida para sediar, tem quase uma década para se preparar para o influxo de atletas e turistas. Os Jogos de Verão são muito maiores, atraindo centenas de milhares de turistas estrangeiros para assistir a mais de dez mil atletas competindo em cerca de 300 eventos, em comparação com menos de três mil atletas que competem em cerca de 100 eventos durante os Jogos de Inverno. A necessidade mais imediata é a criação ou modernização de instalações desportivas altamente especializadas, como pistas de ciclismo ou arenas de ski aquático, Vila Olímpica, e um local grande o suficiente para sediar a abertura e encerramento.

Tóquio gastou até US $ 150 milhões em 2016 e houveram muitas falhas e críticas, tanto que Toronto decidiu que não poderia arcar com os necessário US $ 60 milhões para uma oferta em 2024.

No total de custos da cidade e uma reforma básica geral mínima em outras cidades do país variam de US $ 5 bilhões para mais de US $ 50 bilhões. Muitos países justificam tais gastos na esperança de que sirvam como um legado dos Jogos Olímpicos.

Os custos operacionais compõem uma parcela menor, mas ainda significativa do orçamento olímpico dos anfitriões. Os custos de segurança têm aumentado após o ataques de 9/11. Sydney em 2000 gastou US $ 250 milhões, enquanto Atenas em 2004 gastou mais de US $ 1,5 bilhões, e os custos mantiveram-se entre US $ 1 bilhão e $ 2 bilhões desde então.

Outra questão importante são os chamados “elefantes brancos”, ou instalações caras que, por causa de seu tamanho ou natureza especializada, têm se limitado após Jogos Olímpicos, caindo em desuso.

Economistas dizem que os chamados “custos implícitos” para os jogos, também devem ser considerados. Estes incluem os custos de despesa pública que poderia ser feita em outras prioridades.

 

Como os benefícios se compararam com os custos?

Os Jogos Olímpicos de 1984 em Los Angeles são os únicos jogos que produziram um excedente, em grande parte porque a cidade foi capaz confiar quase que totalmente na infra-estrutura já existente.

Talvez inesperadamente, os economistas também descobriram que o impacto do possível lucro sobre o turismo é abatido com a segurança e a aglomeração, que se fazem necessário um maior controle de segurança e infra-estrutura de modo geral. Barcelona, que sediou em 1992, é citada como uma história de sucesso do turismo, passando de décimo primeiro para o sexto destino mais popular na Europa após os Jogos de Verão, e Sydney em 2000 e Vancouver, em 2010, apontaram ligeiros aumentos no turismo. Mas Londres em 2012, Pequim, em 2008, e Salt Lake City, em 2002, diminuíram seu turismo após os anos de sua Olimpíada.

Em última análise, há pouca evidência de um impacto econômico positivo em geral.

Quais são os custos que Rio de Janeiro enfrenta em 2016?

Brasil, o primeiro país sul-americano a sediar os Jogos Olímpicos, enfrenta uma série de desafios adicionais decorrentes da sua situação econômica e política precária. Todos os Jogos Olímpicos desde 1960 passaram de seus orçamento inicial, e a Rio 2016 não é exceção. Enquanto a contagem final ainda não está disponível, espera-se que os custos alcancem ou ultrapassem US $ 20 bilhões, em comparação com uma estimativa inicial de US $ 14 bilhões.

O plano da Rio 2016 envolve quatro grupos de estádios e instalações, além de novas estradas e linhas ferroviárias. Muitos destes projetos estão acima do orçamento e atrasados.

A corrida para terminar os preparativos vem em meio ao caos político com o afastamento da presidente Dilma Rousseff. O país também está enfrentando sua pior recessão em décadas, com a economia nacional  diminuindo 3,8 por cento em 2015. A recessão tem contribuído para uma crise financeira no governo do estado do Rio de Janeiro, que é responsável pela polícia, hospitais e outros serviços públicos da cidade do Rio.

O governador em exercício alertou que a crise financeira poderia causar um colapso total da segurança pública “durante os Jogos Olímpicos.

As autoridades municipais dizem o plano original do Rio em sediar os Jogos Olímpicos tinham como condição prévia utilizar verba para reformar seu sistema de esgoto e limpar a contaminação generalizada do seu abastecimento de água, mas os cientistas descobriram que os locais de água definidos para realizar as competições de natação e passeios de barco estão contaminados com esgoto bruto e “super-bactérias” perigosas, sendo assim, conclui-se que não foi feito o combinado. O maior legado que a cidade poderia ter das Olimpíadas não foi realizado.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s