Crise institucional

Jornal do Brasil

“Não tenho segurança quanto a todos os elementos que envolvem essa operação, mas me causa espécie que tenha havido obstrução de investigação de matéria que teria sido determinada pelo Supremo”, acrescentou Mendes. “A mim me parece que pode ter havido excesso.”

Contudo a presidente do STF, Cármen Lúcia, também em firme pronunciamento, nesta terça-feira (25), mesmo não se referindo diretamente ao caso, defendeu o juiz: “Todas as vezes que um juiz é agredido, eu e cada um de nós juízes é agredido. E não há a menor necessidade de, numa convivência democrática, livre e harmônica, haver qualquer tipo de questionamento que não seja nos estreitos limites da constitucionalidade e da legalidade.”

Gilmar Mendes, Renan Calheiros e Cármen Lúcia: tensão entre Judiciário e Legislativo
Gilmar Mendes, Renan Calheiros e Cármen Lúcia: tensão entre Judiciário e Legislativo

“O que não é admissível aqui, fora dos autos, é que qualquer juiz seja diminuído ou desmoralizado. Porque, como eu disse, onde um juiz for destratado, eu também sou. Qualquer um de nós, juízes, é”, afirmou Cármen Lúcia, acrescentando que os magistrados, nas diversas instâncias, podem cometer atos “questionáveis”, mas que todos os órgãos do Judiciário buscam cumprir sua função “da melhor maneira”.

“Espero que isso seja de compreensão geral, de respeito integral. Afinal, somos, sim, independentes, e estamos buscando a harmonia em benefício do cidadão brasileiro. Espero que isso não seja esquecido por ninguém, porque nós juízes não temos nos esquecido disso”, concluiu Cármen Lúcia.

O Jornal do Brasil vem alertando para a gravidade da crise institucional que se instala entre o poderes no Brasil.

Na própria sexta-feira, o JB destacou: “Assistir a esta desfiguração do Senado, um dos três poderes do país, assistir a ele ser submetido à desconfiança do poder judiciário, que o transforma em descrença para todo o povo brasileiro, pode ser o início do fim de um poder.”

>> Leia aqui

Em outro editorial, o JB destacou: “O maior risco para uma democracia é o descrédito do Poder Legislativo. Um Congresso que não se faz respeitar pode desestabilizar o processo democrático, e as consequências poderiam ser terríveis, como o Jornal do Brasil já vem alertando.”

>> Leia aqui

No final de 2015, o JB já insistia nesta questão, afirmando em editorial: “A Operação Lava Jato, iniciada há quase dois anos, está revelando um cenário de embate entre os poderes no Brasil. Judiciário e Legislativo se enfrentam em uma queda de braço cujas principais vítimas são uma população sofrida e pobre, que também assiste à prisão de empreiteiros e banqueiros que supostamente enriqueceram, de forma ilícita, às custas dos cofres públicos.” 

>> Leia aqui

Também em 2015, o JB frisou: “O Judiciário torna-se obrigado a continuar agindo, mas com precaução para que o julgamento não se precipite pela boca do povo. Porque aí sim os poderes poderão não ter mais nada o que  fazer.”

>> Leia aqui

A reação do presidente do Congresso, que foi eleito pelo povo e que preside uma Casa que representa o povo, permite que o Palácio do Planalto assista com certa preocupação ao desenrolar de uma crise que já está estabelecida, quando os poderes se observam de forma critica.

É importante ressaltar que o Poder Legislativo, juntamente como o Poder Executivo, são a voz do povo, pois foram escolhidos e indicados pelo povo para por eles falar.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s