Temer admite flexibilização de pontos da reforma da Previdência

Presidente condicionou negociação à manutenção da idade mínima

“Eu acabei de autorizar o relator a fazer os acordos necessários desde que se mantenha a idade mínima. Nós vamos flexibilizar a reforma previdenciária para atender aos reclames da população e atender aquilo que o Congresso Nacional tem estabelecido”, disse Temer, em intervalo da reunião com ministros, secretários e parlamentares para discutir a proposta de reforma da Previdência, que tramita no Congresso Nacional.

Estão presentes os ministros Eliseu Padilha, chefe da Casa Civil, e Henrique Meirelles, da Fazenda; o secretário da Previdência, Marcelo Caetano; e os deputados Arthur Maia (PPS-BA), relator da proposta, e Carlos Marun (PMDB-MS), presidente da comissão especial que avalia a reforma.

Temer disse que autorizou que o relator negocie a alteração de alguns pontos da proposta, mas condicionou as mudanças à manutenção da idade mínima de 65 anos.

“Estamos permitindo que sejam feitas as adequações necessárias, porque você governa com diálogo entre Executivo e Legislativo. Eles fazem ponderações, como a aposentadoria do trabalhador rural, a questão dos deficientes e o Beneficio de Prestação Continuada [garantia de um salário mínimo mensal ao idoso acima de 65 anos ou à pessoa com deficiência de qualquer idade que a impeça de participar de forma plena e efetiva na sociedade, em igualdade de condições com as demais pessoas]”, disse o presidente à Bandeirantes.

Proposta de reforma da Previdência passará por ajustes, diz relator

O deputado Arthur Maia (PPS-BA) confirmou nesta quinta-feira (6) que fará ajustes nos pontos mais polêmicos do projeto: as regras de transição, a aposentadoria rural, o BPC [Benefício de Prestação Continuada], as pensões e as aposentadorias especiais de professores e policiais.

O parlamentar deve apresentar em 18 de abril seu relatório à comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa a matéria. Só então os detalhes das mudanças deverão ser conhecidos.

A decisão foi anunciada após reunião no Palácio do Planalto com o presidente Michel Temer, que chamou Arthur Maia para tratar do assunto.

Segundo Arthur Maia, as reivindicações que chegaram a Temer são as mesmas apresentadas aos deputados. “Com os eventuais ajustes, estará preservado o fim de qualquer privilégio. Estará mantido o teto de R$ 5.531 para quem se aposentar pelo INSS”, destacou o relator.

Com Agência Brasil e Agência Câmara

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s