Portas e silêncio

Augusto Melo
Portas coloridas de Dubin
Fica reclamando dos muros que foram construídos entre a gente. Das paredes que foram levantadas. Das portas tão bem trancadas. Mal sabe que quem fez cada uma dessas coisas, foi você.
E quando ele sorriu, eu descobri o paraíso antes mesmo de morrer.
Uma das melhores coisas é quando sua casa deixa de ser concreto e passa a ser o abraço de alguém.
Um era silêncio, o outro som.
Um era mar, o outro céu.
Um era lua, o outro sol.
Um era luz, o outro sombra.
Ambos eram amor.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s