Governo suspende nomeação de Brust para assessor da Secretaria de Agricultura

sábado, 28 setembro, 2019

por Rodrigo Daniel Silva

Governo suspende nomeação de Brust para assessor da Secretaria de Agricultura

Foto: Mateus Pereira / Gov/BA

O governo suspendeu a nomeação de Hari Alexandre Brust para o cargo de assessor especial do Gabinete do Secretário, da Secretaria de Agricultura. O ato foi publicado no Diário Oficial do Estado deste sábado (28).

Aos 82 anos, Brust é o atual presidente do PDT de Salvador. A nomeação tinha sido publicada no dia 5 de junho deste ano e, neste sábado, foi tornada sem efeito. Para o lugar dele, foi nomeado o ex-candidato a vice-prefeito de Ubatã, Wesley Soares Faustino (PDT).

Em contato com o Bahia Notícias, Brust justificou a decisão do governo. Disse que médicos aconselharam a não assumir o cargo por causa de problemas respiratórios. “Na verdade, não foi suspensa. Foi tornada sem efeito. Fui considerado inapto pela Junta Médica”, pontuou.

A Secretaria de Agricultura é comandada pelo engenheiro agrônomo Lucas Teixeira Costa, que foi indicado pelo presidente do PDT da Bahia, o deputado federal Félix Mendonça Júnior (Nota atualizada às 11h12).

Bahia Noticias

NOSSO COMENTÁRIO: 

A direção do PDT da Bahia indicou Alexandre Brust, ex diretor financeiro da COELBA, ex-presidente da LIMPURB e da CBPM, para ser assessor especial da SEAGRI. Brust, Trabalhista histórico recusou o “cala boca” assumindo uma posição de resistência digna da sua história. Os cargos políticos são do partido, conquistado de acordo com seu tamanho e a sua contribuição para a eleição do governante. Alguns dirigentes de legenda se julgam donos de destinos e de pessoas e fazem utilização fisiológicas desses cargos.

O fato mostra apenas a ponta do iceberg. O PDT da Bahia está rachado. Contudo, o grupo que há seis anos assumiu a legenda, não parece se importar com isso.

A direção nacional observa de longe. Mas a sua omissão poderá ter consequências para as próximas eleições. Isto, a divisão gerada pelo ataque a quadros históricos, afastará alguns militantes, outros vão se desfiliar. De modo que o problema mesmo, para o PDT baiano, será organizar e fazer trabalhar em 2020 os que ficarem na resistência.

 


Vereadores discutem desafios sobre mudanças eleitorais para 2020

sábado, 28 setembro, 2019

Com a aproximação do período eleitoral, vereadores se preparam para lidar com mudanças na disputa por vagas nas câmaras municipais em 2020, principalmente no que diz respeito ao fim das coligações proporcionais. Este foi um dos temas debatidos, ontem, no Encontro Nacional de Legislativos Municipais, que ocorre em Fortaleza. A capacitação e a qualificação de vereadores e vereadoras é foco do evento, que também discutiu o fortalecimento do papel do vereador como ente fiscalizador.

O ex-governador Ciro Gomes proferiu a palestra magna do evento (Foto: José Leomar)

“A nossa missão é que os vereadores aprendam, se capacitem e voltem para as suas câmaras com a cabeça melhor, com atitudes melhores, com ações melhores, exercendo melhor o seus mandatos”, afirmou o presidente da União de Vereadores e Câmaras do Ceará (UVC) e vereador de Tejuçuoca, Guto Mota (PSD). Parceria entre a UVC e a União de Vereadores do Brasil (UVB), o encontro ocorre pela segunda vez em Fortaleza – a primeira foi em 2015 – e reúne, desde a última quarta-feira (25) até hoje (27), vereadores de mais de 127 municípios de 17 estados.

“O vereador tem que buscar cada vez mais conhecimento para fazer a diferença na sua Câmara Municipal. Nós fazemos as leis municipais e podemos alterar, mas se não tenho conhecimento, como vou mudar uma lei? Como vou melhorar a vida do meu cidadão? Acima de tudo, é fazer com que o vereador se sinta cada vez mais um agente político de transformação”, apontou Gilson Conzatti, presidente da UVB e vereador de Itaí, no Rio Grande do Sul.

Vereador da cidade de Joaquim Gomes, no interior de Alagoas, Amilson Silva chegou ao evento com dúvidas envolvendo mudanças que devem ocorrer para as eleições do próximo ano, primeiro pleito no qual não será mais possível coligação para a disputa por vagas nas câmaras.

“O que preocupa é que, por exemplo, se um candidato tiver 700 votos e o quociente eleitoral for 1.000, mesmo sendo o mais votado, ele não irá se eleger, pois o partido não alcançou o quociente”, cita. Para Silva, ainda é um mistério como as legendas devem se comportar em 2020. “É ruim porque os vereadores estão sendo usados como teste de prova para a eleição dos deputados estaduais e federais”, considerou.

Perspectivas

O ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) realizou a palestra magna do evento sobre o cenário que espera tanto os atuais vereadores quanto os que pretendem chegar ao Legislativo no pleito de 2020. “Antes, todos os partidos podiam se organizar livremente. Agora, cada partido sozinho vai ter que fazer o quociente eleitoral. Isso muda a cultura em que, na coligação, o amigo do lado é adversário, porque você precisa dele”, citou.

Ciro destacou ainda outros desafios que devem estar no horizonte da disputa. “A tentação do nosso povo em 2020 será o voto de protesto. E a tentação do protesto é despolitizada”, afirma. O desvio do foco dos problemas da cidade para pautas mais abrangentes, como a de costumes, além da ampliação das fake news, também deve ser uma dificuldade, apontou. “A chave disso é puxar de novo o povo para o concreto”, completou.

Uma das participantes do encontro, a vereadora Solange Baltazano, de Monsenhor Tabosa, no Ceará, ressaltou que a capacitação contribui para a fiscalização das ações do Executivo. “E não é fiscalizar para denegrir imagem ou apontar erros, mas sim para prevenir os abusos e os malefícios que traz a corrupção, porque se isso ocorrer nos municípios é porque ainda não estamos desempenhando bem a nossa função”, sustentou. (Fonte: Diário do Nordeste).

http://www.interiordabahia.com.br


Bahia: PP realiza encontro estadual

sábado, 28 setembro, 2019